Currículo João Orestes


João Orestes Schneider Santos

Diretor de Estudos Superiores

Câmara de Gestão e Estudos Superiores do IDM Brasil

Natural de Marcelino Ramos-RS, 1947.
Na Amazônia (31 anos) desde 1970 e Austrália (17 anos) 1998-1999 e 2003-2018
Seção acadêmica:
Geólogo graduado pela UFRGS em 1969
Especialização em sensoreamento remoto nos EUA (Arizona), 1978
Doutorado na Austrália em 1998-2000: mineralizações de ouro da Província Tapajós
Pós-doutorado na Austrália em 2004-2005: Evolução do orógeno Sunsás (Brasil-Bolívia)
Pós-doutorado na Austrália em 2012-2014: Evolução do Cráton Río de la Plata (Uruguay, Argentina, RS, PR, SC).
Publicação de diversos artigos científicos em revistas internacionais
Publicação de centenas de resumos em congressos e simpósios de geologia no Brasil e no exterior (EUA, Argentina, Equador, Bolívia, Uruguai, Chile, Peru, Venezuela, Alemanha, Colômbia, Austrália, etc.)
Publicação de capítulos de alguns livros
Seção profissional:
Geólogo da mineração Brumadinho em RO, pesquisa de cassiterita (1970-1971)
Geólogo da CPRM (Ministério de Minas e Energia) durante 31 anos (1971-2003)
Participação no Projeto RADAM em 1973 (folha Carajás-Araguaia)
Consultoria para ECOPETROL através do MME na Colômbia: mineralizações de ouro em Guainia
Pesquisa de ouro na bacia do Madre de Diós, Peru em 1990-1991, para CENTROMIN-Peru
Levantamento conjunto da zona de fronteira Brasil-Venezuela, incluindo correção do limite entre os dois países. Corporación Venezolana de Guayana (1989-1990)
Estabelecimento de reservas de diamante na zona de fronteira Brasil-Guyana (1983-1984)
Estudo de reservas de diamante em Roraima para CODESAIMA (1983-1984)
Participante (pelo MME) de missão brasileira na Guyana (1981)
Participante (pelo MME) de missão brasileira na República Dominicana (1982)
Participante (pelo MME) de missão brasileira no Suriname (1982)
Participante (pelo MME) de missão brasileira na Venezuela (1990)
Descoberta da cachoeira do Aracá (1973), a mais alta do país
Descoberta do Pantanal Setentrional (AM-RR), publicado na revista Ciência Hoje em 1993.
Descoberta de quatro campos de dunas (AM-RR) no meio da floresta Amazônica: testemunhos de um clima mais seco no passado.
Proposição para o desenvolvimento da Amazônia através de polos minerais (1980-1990).
Primeira proposta no Brasil para a atividade mineral em áreas indígenas (Congresso Brasileiro de Geologia em Belém, 1985)
Saída da CPRM-MME dois meses após a nomeação da senhora Dilma Roussef como ministra, no princípio de 2003, devido aos desmandos ocorridos no ministério. Exílio voluntário na Austrália durante 15 anos, até Janeiro de 2018.
Na Austrália, especialização em geologia isotópica e datação de rochas pelo sistema U-Pb, resolvendo problemas estratigráficos e geológicos de várias regiões da América do Sul, da Austrália e dos EUA (bacia Middle Run em Ohio).
Consultor em exploração mineral de níquel e de fertilizantes na Austrália e na América do Sul.
Retorno ao Brasil (Janeiro de 2018) atendendo convite para inserir o setor mineral no planejamento do Estado do Amazonas.
Secretário de Planejamento do Amazonas de Janeiro de 2018 a Janeiro de 2019;
Diretor Presidente da FASA-Fertilizantes da Amazônia S.A.